Governo Temer adia votação da reforma da Previdência para fevereiro

Depois de muito vai-e-volta e desencontro de informações sobre a votação ou não da reforma da Previdência ainda este ano, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou na quinta-feira (14) que a votação ficará mesmo para o ano de 2018, em 19 de fevereiro.

No entanto, é importante manter a mobilização, não baixar a guarda e seguir com a pressão. Esse recuo, fruto da pressão dos trabalhadores, nos dá fôlego para continuar com mais força e retirar de vez essa reforma que acaba com a aposentadoria do trabalhador brasileiro. A pressão continua. Se botar pra votar, o Brasil vai parar!

Na semana passada, as centrais sindicais mantiveram sua posição diante da iminência de votação. Apesar desse recuo por parte do governo, o dirigente da CSP-Conlutas Luiz Carlos Prates, o Mancha, segue com a orientação aos trabalhadores de que se mantenham mobilizados.

“Nós não podemos baixar a guarda, temos que continuar nossa mobilização. Nós ganhamos um fôlego, ganhamos um tempo, tivemos uma vitória parcial, o que demonstra que é possível derrotarmos essa reforma da Previdência. Precisamos preparar para o próximo ano uma grande Greve Geral como as diversas categorias já vêm reivindicando para quando for colocado em votação essa reforma”, disse Mancha.

Fonte: CSP-Conlutas