Após terceirização, Latam dispensa 1.200 funcionários em SP e no Rio

A Latam Airlines Brasil (antiga Tam) anunciou a realização de demissões em massa nos aeroportos de Guarulhos, em São Paulo, e do Galeão, no Rio de Janeiro, em razão da transferência de toda a sua operação de rampa e limpeza (ground handling), gestão de equipamentos de solo (GSE) e atendimento a clientes com bagagens perdidas ou danificadas (Lost Luggage) para uma empresa terceirizada.

A medida ocorre depois da aprovação da reforma trabalhista e da lei da terceirização irrestrita, no ano passado pelo governo Michel Temer (MDB).

As atividades antes desempenhadas por trabalhadores diretos serão assumidas pela Orbital – WFS, empresa que presta serviços aeroportuários.

Segundo informações do Sindigru, foram 850 demissões em São Paulo. O número foi confirmado pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), que informa ainda outros 350 cortes no aeroporto no Rio de Janeiro.

Ataque aos direitos
Essas demissões em massa confirmam os terríveis efeitos da reforma trabalhista e da lei da terceirização irrestrita para os trabalhadores brasileiros.

Em nossa região, os deputados federais Eduardo Cury (PSDB) e Pollyana Gama (PPS) votaram a favor dessas medidas.

Sobre a lei da terceirização, o texto permite que empresas terceirizem qualquer setor, substituindo trabalhadores diretos por prestadoras de serviço. Antes de sua aprovação, a terceirização da atividade-fim (atividade principal) da empresa era proibida.

“As demissões na Latam, somadas ao crescimento do trabalho precarizado impulsionado pelas perversas leis de Temer, comprovam que a classe trabalhadora precisa ir à luta para exigir a revogação desses absurdos”, afirmou o presidente da Admap, Lauro da Silva.