Inflação foi maior para os mais pobres do que para a média brasileira

A população mais pobre está sofrendo mais com a inflação do que o conjunto dos brasileiros. É o que revela levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O IPC-C1, que mede a variação de preços de produtos e serviços para famílias com renda entre 1 e 2,5 salários mínimos, apresentou inflação de 0,93% em dezembro, vindo de 0,56% no mês anterior, informou a FGV em relatório.

Já o IPC-Br, que calcula a variação de preços para famílias com renda de 1 a 33 salários mínimos mensais, registrou inflação de 0,77% no mês passado e 0,49% em novembro.

Com esse resultado, o indicador que mede a inflação para os mais pobres (IPC-C1) acumulou alta de 4,60% em 2019, contra 4,11% do indicador geral.

A principal diferença entre o IPC-C1 e o IBC-Br está na ponderação da cesta de produtos e serviços para chegar ao indicador final. Para famílias mais pobres, por exemplo, alimentação costuma ter maior relevância e educação particular, menor, dentro do total de despesas.

A próxima divulgação do IPC-C1 acontecerá no dia 5 de fevereiro.