Reforma da Previdência passa na CCJ e vai ao plenário do Senado

Após mais de nove horas de reunião, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou, nesta quarta-feira (4), o relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) à reforma da Previdência (PEC 6/2019). Foram 18 votos favoráveis e 7 contrários ao texto-base da proposta que altera a regras de aposentadoria. O texto segue agora para análise no Plenário do Senado.

Essa reforma ataca gravemente o direito à aposentadoria dos trabalhadores brasileiros, ao impor uma idade mínima para se aposentar de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. Além disso, reduz valores das aposentadorias e pensões.

A expectativa do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, é que a votação da proposta seja concluída até 10 de outubro.

O texto vai passar por dois turnos de votação no Plenário do Senado, onde precisará ser aprovado por três quintos dos senadores, o que equivale a 49 votos. Se for aprovado pela Casa sem mudanças, o texto será promulgado como uma emenda à Constituição.

Mobilização
Para o presidente da Admap, Lauro da Silva, é preciso uma forte mobilização para derrotar esse ataque às aposentadorias e pensões.

“As direções das centrais sindicais precisam encaminhar o fortalecimento da luta contra a reforma da Previdência, o que foi deixado de lado por aqueles que preferiram o caminho da negociação. Temos de construir uma Greve Geral que paralise o país de norte a sul em defesa do direitos que querem retirar do povo brasileiro”, afirmou.

Com informações da Agência Senado