Relaxamento do isolamento social nos estados pode trazer explosão de casos de Covid

Mais de 580 mil casos de Covid-19 no país. A triste marca de mais de 32 mil mortes. Uma curva ascendente da pandemia no país, sem previsão de estabilização. É diante deste cenário que governantes começaram a afrouxar as regras de isolamento social e liberar a volta do funcionamento do comércio, pressionados pela política de Bolsonaro e setores empresariais. Uma verdadeira política genocida!

A estimativa é que estados e municípios que reduziram as regras de quarentena poderão ter em dez dias um aumento de 150% no número de infectados e mortos pelo novo coronavírus. O alerta da explosão de casos foi feito por um grupo de cientistas de universidades de São Paulo, que integram o portal Covid-19 Brasil.

O especialista em modelagem computacional Domingos Alves explicou, ao jornal O Globo, que as projeções são baseadas nos números oficiais e nas taxas de crescimento de casos registradas em cidades que afrouxaram o distanciamento. Milão, na Itália, afrouxou as regras em fevereiro, o que levou a Covid-19 a explodir em março. Em Blumenau (SC), o número de infectados aumentou 160% cinco dias após a reabertura de shoppings e lojas de rua.

Segundo estudos, das pessoas infectadas pelo coronavírus, 30% não terão sintomas, 55% apresentarão sintomas de leves a moderados, 10%, sintomas graves, e 5% serão casos críticos, dos quais metade morrerá. Como os sintomas costumam surgir de cinco a sete dias após a infecção, os cientistas projetam que 15% dos novos infectados vão precisar ser internados daqui a uma semana.

As estimativas são alarmantes diante de um quadro em que vários estados já têm suas redes hospitalares em colapso.

Os pesquisadores calculam que, no estado de São Paulo, se o percentual atual de distanciamento social, hoje em 50%, cair para 25%, haverá dentro de dez dias mais 11 mil casos novos e 56 mil internações.

“Isso esgotará os leitos disponíveis e levará ao caos. O único distanciamento que vemos neste momento é aquele entre o que falam governadores e prefeitos e o que dizem os comitês científicos que os assessoram. O relaxamento social só tem motivação política. Não existe ciência nisso. Os estados do Rio de Janeiro, de São Paulo e Amazonas terão um massacre”, afirmou o especialista em modelagem computacional Domingos Alves, integrante portal Covid-19 Brasil e líder do Laboratório de Inteligência em Saúde (LIS) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP).

Alves afirma que a situação do estado do Rio de Janeiro é particularmente preocupante porque 83% dos leitos do SUS estão ocupados.

Os pesquisadores afirmaram ainda que cidades como Manaus, Belém, Rio de Janeiro e São Paulo deveriam entrar em lockdown e não em relaxamento.

Segundo eles, o país continua a testar pouco e de forma incorreta. As prefeituras têm procurado fazer testes rápidos, só que não aplicam corretamente, dizem os cientistas.

“A palavra é dura, mas será um genocídio. Nenhum governo estadual teve coragem de falar em fila única de saúde, e esses pacientes, em sua maioria pobres, não terão assistência. Vão morrer em casa. É fácil botar a culpa na população, mas a responsabilidade de estabelecer regras e de dar segurança é dos governantes”, afirmou.

Quarentena Geral já por 30 dias
A CSP-Conlutas, entidades e movimentos filiados estão promovendo por todo o país a campanha “Quarentena Geral já por 30 dias”. Exigimos dos governos que decretem lockdown para achatar a curva de casos no país e permitir a estabilização dos sistemas de saúde. Direções regionais da CSP-Conlutas e sindicatos filiados já tomaram, inclusive, medidas judiciais cobrando o lockdown em estados como SP, RJ e RN.

“Não podemos aceitar a política genocida que governantes e empresários estão nos impondo. Mesmo os governos que aplicaram políticas parciais de quarentena isso foi insuficiente, pois eles não pararam as indústrias e atividades que não são essenciais. Com isso, seguiram obrigando milhões de trabalhadores a irem diariamente ao trabalho, usar o transporte público, enfim, a ficarem vulneráveis à contaminação e foco de disseminação da Covid-19”, afirma o integrante da CSP-Conlutas Atnágoras Lopes.

“A pandemia não foi controlada no país. Os dados são gritantes. Os governos precisam decretar quarentena geral já por 30 dias e garantir as condições para que os trabalhadores e pequenos negócios possam passar por esse período com salário, renda e garantia dos empregos. As grandes empresas tem de usar uma ínfima parte dos lucros recordes obtidos ao longo dos anos para preservar todos os empregos e o governo Bolsonaro deve parar de desviar dinheiro público para banqueiros e para a ilegal Dívida Pública e direcionar a políticas sociais”, afirmou Atnágoras.

Fonte: CSP-Conlutas